PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Através de sua página pessoal na internet, empresária e pré-candidata a prefeita de Bacabal Giselle Velloso mostra algumas propostas de Governo

Pré-Candidata a prefeita de Bacabal Giselle Velloso

O Município de Bacabal certamente vive o pior momento de sua história. Esta jovem cidade, que outrora cobiçada por muitos brasileiros que viam em seu solo fertilidade e riqueza, mormente para criação de bovinos e pequenas lavouras de vazante, perderam a magia ao se depararem, de maneira crônica, com um Município em decadência, sem maiores perspectivas de desenvolvimento, chegando ao ápice do absoluto abandono institucional oriundo, bem verdade, de décadas de atraso por abomináveis programas de governos que jamais foram capazes de vislumbrar, criteriosamente, as deficiências sociais e econômicas, tanto quanto deixarem escorrer pelos ralos da corrupção, todos os recursos públicos recebidos e auferidos pelo erário. 

A nossa deficiência é tamanha que sequer, nos dias atuais, não obstante a crise nacional, tem dinheiro – moeda circulante – no mercado interno. Crise, crise que se agrava a cada dia em todos os setores, em particular, saúde, educação, infraestrutura, desenvolvimento econômico, enfim, em tudo quanto possamos imaginar e muito menos sem qualquer reconhecimento. 

A partir de agora, com ideias novas e comprometidas em mudar completamente todo esse panorama tétrico em que vivemos há aproximadamente mais de três décadas, através de especialistas e profissionais de primeira geração, vou direcionar minhas primeiras ações ao planejamento completo de todas as áreas, para enfrentar a execução de um ousado programa de governo desenvolvimentista, buscando não só recuperar o tempo, mas construir uma cidade que seja capaz de orgulhar todos os bacabalenses da nossa geração, impondo um criterioso controle público de qualidade de vida, crescimento econômico e sustentabilidade, pois a nossa meta prioritária e de maior vulto, é a de fazermos uma cidade socialmente justa, economicamente viável e ambientalmente correta.

Socialmente justa, porque há de respeitar o ser humano. Não há sustentabilidade ambiental sem considerar a questão social. Uma cidade socialmente justa se constrói com a melhoria da qualidade de vida da população, com a diminuição das diferenças sociais e com políticas públicas voltadas à questão social como um todo.

Economicamente viável, pois irei trabalhar para proporcionar o acesso à ciência e à tecnologia, além de manter uma política rigorosa de compras públicas, administrando e investindo o dinheiro público de forma transparente e justa. Ser ambientalmente correta implica estar ligada ao uso controlado dos recursos naturais, à redução e destinação final adequada dos resíduos sólidos, à reciclagem dos materiais e da energia, ao uso de tecnologias limpas, à educação ambiental, bem como regras de proteção ambiental e fiscalização. Com o meio ambiente degradado, o ser humano abrevia o seu tempo de vida e a economia não se desenvolve satisfatoriamente. 

É buscando isso que trabalho incansavelmente todos os dias e em todos os lugares da nossa querida e amada Bacabal. Conheci ao longo dos anos da minha intensa militância os reclamos do povo e aprendi a ouvi-los e a traduzi-los em minhas anotações. Também fiquei atenta as ‘vozes roucas das ruas’, suporte que me assegurou subsídio em projeta-las neste Programa de Governo, o qual deve balizar, rigorosamente - se esta for a vontade soberana dos bacabalenses - as ações do meu governo. 
Tenham certeza que serão quatro anos de trabalho intenso, responsável e com resultados expressivos para todos, especialmente a efetividade do programa de desenvolvimento integrado, financiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento - BID, que visa consolidar as diretrizes de um novo Plano Diretor de Bacabal, objetivando a caracterização de um centro tradicional, maior eficiência do transporte público, aumento de áreas verdes com a criação de parques, junto a equipamentos de esporte, lazer, assistência social e cultura nas regiões periféricas da cidade. 

Portanto se o povo me dever um voto de confiança, tenham certeza, estarei pronta à desenvolver esse programa, que é formado por quatro componentes, envolvendo intervenções nas diversas pastas da administração municipal, fazendo parte os seguintes objetivos e suas intervenções: a) transporte e sistema viário; b) melhoria de meio ambiente e social; c) esporte, lazer, assistência social, saúde, educação, infraestrutura, cultura e ampla integralização das regiões periféricas da cidade e d) fortalecimento institucional. 

Junte-se a nós do PR (22) e vamos unidos mudar esse quadro de imperfeições hodiernas.

Por Giselle Velloso

Nenhum comentário:

Postar um comentário