segunda-feira, 2 de novembro de 2015

“Governo de todos nós” Segurança Pública - MA: DPM da Cidade de Marajá do Sena é um risco a saúde dos policiais Militares


Nos últimos dias o assunto que vem se tornando destaque nos meios de comunicação, seja em emissoras de TV, Blogs ou até mesmo através das redes sociais, é a transferência de alguns policiais militares de suas cidades, tudo por que os mesmos são contrários a algumas decisões e lutam por seus direitos em greves através de associações criadas para fortalecer a causa. Dentre esses policiais militares estão os Soldados da PM Leite da cidade de Timon, que foi transferido para a cidade de Presidente Dutra, o Soldado R. Barros de Imperatriz, e o Soldado da PM Diego, lotado no 15º BPM que foi transferido para cidade de Marajá do Sena. Para se ter uma ideia da repercussão que o caso tomou, dois deputados estaduais em seus discursos durante sessão na assembleia,  falaram em favor dos policiais militares.

DPM: Caso de Saúde Pública



Para os leitores do Blog do Vanilson Rabelo terem noção da precariedade dos destacamentos da Policia Militar pelo Estado do Maranhão, vamos mostrar aqui as dependências do DPM da cidade de Marajá do Sena, para onde o soldado Diego foi transferido, a viatura que tem está quebrada a mais de 03 (três) meses e as rondas são realizadas em uma motocicleta, o que deixa o trabalho dos PMs em situação ainda mais difícil, a casa que serve como destacamento foi cedida pela prefeitura, e uma pessoa ligada ao ex-prefeito entrou na justiça por reintegração de posse, a ordem judicial para sair já chegou e o único prédio que tem é o da delegacia abandonada do lado, de propriedade da prefeitura municipal.

Quando é preciso ter uma condução, os policiais militares têm que levar o preso de moto até a cidade vizinha de Paulo Ramos (um policial pilotando a moto, o conduzido no meio e outro policial na garupa), ou é esperar na beira da estrada até aparecer uma carona.



O esgoto passa a céu aberto no quintal da casa, e a tampa da fossa já está quebrada, deixando os PMs a mercê de algum problema de saúde, já que eles passam o dia todo sentido o mau-cheiro.  O Soldado Diego foi transferido para a cidade de Marajá do Sena por lutar pelos direitos da classe, assim como os lideres grevistas R. Barros e Soldado Leite.

Diego é conhecido por seus pares, pela sua coragem, honestidade e espirito de liderança, de família tradicional da Cidade de Bacabal, o SD Diego Silva Paixão ingressou na corporação da PM no ano de 2010, e serve a sociedade de Bacabal desde janeiro de 2011. Nesse tempo de serviço ganhou respeito e admiração destacando-se na corporação, hoje possui um currículo admirável, efetuando ao longo de poucos anos várias prisões importantes em Bacabal e circunvizinhanças. Dentre elas, prisões de homicidas, assaltantes, traficantes, incontáveis “estouros de bocas de fumo” na periferia e centro da cidade, além de inúmeras prisões de estelionatários. Dentre elas vale ressaltar a prisão do “maior” hacker do MA, no qual o referido policial negou um suborno de R$ 300 mil para a não apresentação do Notebook pertencente ao criminoso.

Pelo bom trabalho prestado a sociedade Bacabalense, e bom relacionamento com os cidadãos e pares, o policial coleciona várias amizades que acordaram insatisfeitas ao saberem de sua transferência para a cidade de Marajá do Sena, o que consideram como uma perseguição ao trabalho feito em defesa da classe junto a associação de Cabos e soldados de Bacabal (ASPOMMEM).

Isso tudo mostra a falta de “preocupação” que o governo do Estado do Maranhão tem para com esses homens e mulheres, que estão diuturnamente nas Ruas para serve e proteger a sociedade. Mais a grande realidade é que a segurança Pública do Estado, está totalmente esquecida e o foco dos “Comandantes” do palácio dos Leões, está voltado para aqueles que lutam por dias melhores na classe da briosa Polícia Militar.

Por Vanilson Rabelo    

Um comentário:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do editor do Blog do Vanilson Rabelo. Ficando responsabilizado (a), quem o escreveu.