PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

sábado, 23 de abril de 2016

Senadores João Alberto e Roberto Rocha são indicados para comissão que irá analisar Impeachment de Dilma

Os maranhenses serão suplentes do bloco do PMDB e do bloco Socialismo e Democracia (PSB, PPS, PCdoB, e REDE).


A indicação dos integrantes titulares do bloco de apoio ao governo para a comissão do Senado Destina à análise do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, completa a lista de titulares para a análise da matéria.  Os senadores indicados foram: Lindbergh Farias (PT-RJ), José Pimentel (PT-CE), Gleise Hoffman (PT-PR) e Telmário Mota (PDT-RR).  

Do Maranhão, o senador João Alberto figura na suplência do bloco do PMDB e Roberto Rocha será suplente do Bloco Socialismo e Democracia (PSB, PPS, PCdoB, e REDE).

Com a maior bancada no Senado, o PMDB indicou cinco senadores: Raimundo Lira(PB), Rose de Freitas (ES), Simone Tebet (MS), José Maranhão (PB), Waldemir Moka (MS).

O bloco Socialismo e Democracia (PSB, PPS, PCdoB e REDE) apresentou como titulares da comissão os senadores Fernando Bezerra Coelho(PSB-PE), Romário (PSB-RJ) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM.). Já o bloco Democracia Progressista, composto por PP e PSD, indicou como titulares José Medeiros (PSD-MT), Ana Amélia (PP-RS), e Gladson Camelli (PP-AC).    


Formado por PSDB, DEM e PV, o bloco da oposição indicou os senadores Aloysio Nunes (PSDB-SP), Antonio Anastasia (PSDB-MG), Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), e Ronaldo Caiado (DEM-GO). Já o bloco moderador (PTB, PR, PSC, PRB e PTC) indicou os senadores Wellington Fagundes (PR-MT) e Zezé Perrela (PTB-MG). 


Blog da Kelly 

Um comentário:

  1. Eu não ligo muitos aos conceitos 'Direita' e 'Esquerda'.
    .
    Se defender mais poder negocial para o contribuinte/consumidor é ser de 'Esquerda', então eu sou de 'Esquerda'.
    .
    Mais:
    A DEMOCRACIA É UMA FORMA de dotar o contribuinte/consumidor de algum poder negocial...mas, todavia, no entanto... esse poder negocial deverá ser aprofundado (ver Exemplo 1, e Exemplo 2).
    .
    .
    EXEMPLO 1:
    O CONTRIBUINTE TEM QUE SE DAR AO TRABALHO!!!
    -» Leia-se: o contribuinte tem de ajudar no combate aos lobbys que se consideram os donos da democracia!
    ---»»» Democracia Semi-Directa «««---
    -» Isto é, votar em políticos não é (não pode ser) passar um cheque em branco... isto é, ou seja, os políticos e os lobbys pró-despesa/endividamento poderão discutir à vontade a utilização de dinheiros públicos... só que depois... a ‘coisa’ terá que passar pelo crivo de quem paga (vulgo contribuinte).
    -» Explicando melhor, em vez de ficar à espera que apareça um político/governo 'resolve tudo e mais alguma coisa'... o contribuinte deve, isso sim, é reivindicar que os políticos apresentem as suas mais variadas ideias de governação caso a caso, situação a situação, (e respectivas consequências)... de forma a que... possa existir o DIREITO AO VETO de quem paga!
    [ver blog « http://fimcidadaniainfantil.blogspot.pt/ »]
    .
    .
    EXEMPLO 2:
    CONCORRÊNCIA A SÉRIO!!!
    Não há necessidade do Estado possuir negócios do tipo cafés (etc), porque é fácil a um privado quebrar uma cartelização... agora, em produtos de primeira necessidade (sectores estratégicos) - que implicam um investimento inicial de muitos milhões - só a concorrência de empresas públicas é que permitirá COMBATER EFICAZMENTE A CARTELIZAÇÃO privada.
    [ver blog « http://concorrenciaaserio.blogspot.pt/ »]
    .
    .
    .
    P.S.
    -» A ocasião faz o ladrão!
    -» O contribuinte PAROLO_ista faz o golpista!
    -» Ao passar um cheque em branco aos políticos... o contribuinte PAROLO_ista está a incentivar o golpista... a aplicar um 'chega-para-lá' no adversário político... porque o golpista sabe que ao fazê-lo fica com a faca e queijo na mão!
    -» O contribuinte não pode passar um cheque em branco a nenhum político!!!

    ResponderExcluir