quinta-feira, 25 de outubro de 2018

História mal contada: Homem que disse ter sido agredido entra em contradição na delegacia



Na madrugada da última terça-feira (23), um homem identificado como Hernanes, deu entrada no Pronto Socorro de Bacabal com hematomas pelo rosto. De acordo com informações que ele repassou a imprensa, o mesmo teria sido agredido por homens encapuzados e armados. O caso foi registrado no Povoado Sincorá, zona rural do município.

Diante dos fatos, e da longa entrevista concedida a TV Bacabal, de propriedade do deputado estadual Carlinhos Florêncio, aliado político de César Brito, candidato a prefeito no próximo domingo (28), a reportagem do Blog do Vanilson Rabelo resolveu averiguar, e claro, trazer detalhes curiosos sobre sua entrevista. Tanto a concedida à TV Bacabal, quanta na que foi concedida ao intrépido repórter e apresentador Romário Alves, TV Difusora.

Na entrevista concedida ao apresentador da TV Bacabal e funcionário de Carlinhos Florêncio, Hernanes relatou que a agressão está ligada a sua opção política, já que se declarou votar em César Brito.

Versão na TV Bacabal de Carlinhos Florêncio.

Ficou claro para quem assistiu que Hernanes foi colocado como o ponto principal de um jornalismo sensacionalista e vil, que ao invés de averiguar a informação, colocava palavras na boca de uma pessoa, sempre o induzido a direcionar as agressões sofridas ao grupo do prefeito Edvan Brandão (PSC).

Versão contada por Hernanes à TV Difusora.

Durante entrevista concedida para Romário Alves, Hernanes entrou em contradição por várias vezes.

Disse não reconhecer os agressores, depois disse reconhecer, disse que foi por volta das 21:30 para às 22hs, disse que logo após as agressões não procurou o Pronto Socorro, muito menos ligou para a Polícia. Relatou que só esteve em Bacabal pela manhã, que um colega o trouxe para o município e o examinou e recomendou medicamentos.

Detalhes.

Hernanes mentiu quando perguntado se veio a Bacabal procurar por ajuda médica, relatou que só esteve à sede do município pela manhã, porém, câmeras do circuito interno de segurança do Pronto Socorro, registraram sua chegada por volta da meia noite, e não às 03hs da madrugada; ele estava em companhia de Raimundo Feitosa, suplente de vereador, atualmente exercendo o cargo tendo em vista a candidatura de César Brito, seu líder político, o qual Feitosa é cabo eleitoral.

Outro detalhe foi que Hernanes se recusou a receber atendimento médico e nem mesmo tomou medicamentos dados a ele. Segundo ele, a recusa se deu pelo fato do mesmo ter medo já que é alérgico.

Mais detalhes curiosos.

Ao sair do Pronto Socorro de Bacabal, ao invés de se dirigir até a delegacia de Polícia e procurar registrar as agressões, Hernanes foi para casa do vereador Feitosa, acompanhado do mesmo, onde dormiu. De acordo com Hernanes, em toda a Bacabal, a única pessoa que ele conhece é Feitosa.

Mais contradições.

No início da entrevista a Romário Alves, Hernanes disse que reconheceu um de seus possíveis agressores no DP, porém, em seguida, disse não saber de quem se tratava, já que os mesmos estavam encapuzados e que era difícil reconhecer.

Hernanes disse que olhou para “O corpo do rapaz e imaginou, isso aqui foi ele aqui”. Ou seja, reconheceu uma pessoa a qual nem tem certeza que foi a própria ou não que o agrediu.

Entrevista à TV Bacabal de propriedade de Carlinhos Florêncio.

Perguntado o motivo de ter procurado somente a TV Bacabal, de propriedade do comunista Carlinhos Florêncio, um dos principais interessados em eleger César Brito, Hernanes disse que foi a única que estava “aberta” no momento.

Sabemos que isso não passa de desculpas, já que, entrevistas podem ser gravadas e veiculadas em outras edições de programas jornalísticos.

Hernanes relatou que não procurou o DP para registrar o caso porque tinha esquecido os documentos em casa.

Encerro com um editorial.

Observando atentamente as duas entrevistas, percebi que as afirmações dadas por Hernanes, não são concretas, o mesmo se mostrou nervoso as perguntas feitas pelo competente repórter policial Romário Alves, da TV Difusora.

O complicado de ser entrevistado por um profissional que entende e sabe averiguar (investigar), é isso, cair em contradições e sempre expor as mentiras, que tentaram repassar como verdades. Ou seja, tudo, não passa de uma verdadeira armação para tentar incriminar, sem provas, o grupo do atual prefeito e candidato ao mesmo cargo, Edvan Brandão.

Seria mais sábio se Hernanes tivesse procurado todas as emissoras e relatado o caso, ficou evidente que ter se pronunciado ao vivo na TV de propriedade de Carlinhos Florêncio, só teve um objetivo, beneficiar César Brito com ataques sistemáticos ao grupo adversário. Outro ponto interessante foi Hernanes não ter aceitado os medicamentos; hora amigos leitores (as), quem está ferido quer se curar, ou não? A conclusão que muitos chegaram foi; A possível vítima não quis receber medicamentos para poder dar entrevista ainda machucado. Teria sido Hernanes orientado a fazer tudo isso simplesmente por política? 


Redação/Vanilson Rabelo.