PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

sexta-feira, 11 de maio de 2018

“Não se administra uma cidade como Bacabal por e-mail, o prefeito tem que andar nas ruas e conhecer o residencial com 500 casas abandonadas”, afirma Roberto Costa


Da Assessoria.

Não se administra uma cidade como Bacabal por e-mail. A gente não manda e-mail. O prefeito tem que fazer como eu faço, andar nas ruas e conhecer lá o residencial, ver a situação das casas, sair daqui e ir a Brasília falar com o Ministro das Cidades, resolver o problema”, afirmou o deputado estadual Roberto Costa, durante a sessão da última terça-feira (08).

Roberto Costa rebateu o deputado estadual Carlinhos Florêncio, quando este em seu pronunciamento, contou que a Gestão Municipal de Bacabal mandou um e-mail para a Caixa Econômica Federal. O deputado estadual Roberto Costa com o apoio do senador João Alberto garantiu que as casas serão entregues e que já esteve em reunião com o vice-presidente nacional da Caixa Econômica Federal, Marcos Fernando Fontoura dos Santos Jacinto e também em Brasília, em contato com o Ministro das Cidades, Alexandre Baldy.

O problema está resolvido com a ajuda do senador João Alberto. Mas não queremos saber de e-mail. Eu quero saber de solução, e a solução é dada assinando documento. A luta é nossa, mas a vitória é do povo, porque queremos entregar essas 500 casas para quem necessita e sabemos que em Bacabal existe um dos maiores déficits habitacionais e é um grande absurdo termos 500 casas quase prontas sem ter ninguém dentro, sem ninguém para morar, onde o povo tanto precisa de casa”.

Em seu discurso o deputado Roberto Costa pediu que o problema do Conjunto Terra do Sol, seja resolvido pela Gestão Municipal. “Então, vamos ajudar o Terra do Sol a resolver aquele problema de buraco e lama porque a população não aguenta mais, é um sofrimento só. O prefeito Zé Vieira precisa conhecer o que é a Terra do Sol hoje, o sofrimento que é”.

E concluiu o seu discurso garantindo a retomada das obras pela construtora responsável. “Mas, com a ajuda de Deus, com a ajuda do povo de Bacabal, e da Caixa Econômica que já cobramos agora de uma forma muito firme, o problema está resolvido e as obras serão iniciadas, concluídas para entregarmos as casas a quem de direito, ao povo de Bacabal”.